O meu propósito por Lena Ferreira

  
Lena Ferreira por Bernardo Oliveira
Há uma situação que está se tornando recorrente em minha vida: pessoas maravilhosas, que planejam fazer a transição para uma forma de vida mais sustentável, em uma comunidade ou ecovila onde possam viver com mais significado e felicidade, não encontram muitas ferramentas e informações que as ajudem em seu propósito, e vêm a mim para orientá-las. 

Até que recentemente, Fabiana e Jefferson, amigos queridos, companheiros da mesma missão, me pediram para escrever para esse Blog como suporte aos trabalhos da Amainar. Ficou clara a sincronicidade de sua demanda com o que eu já vinha fazendo de modo informal mas sempre tive a intenção fazer de forma mais estruturada. E também outras pessoas queridas, companheiras do Curso Educação Gaia, Design em Sustentabilidade, me estimularam a produzir conteúdos sobre vários temas estudados no curso que  abordam a criação, estruturação e governança de comunidades,  seus princípios, valores e organização social.

Já fazia anos que eu vinha pensando em escrever um livro sobre esses assuntos mesmo porque eu precisava de textos para dar suporte às minhas aulas, mas sempre achava que ainda não estava pronta – mas, afinal, quem já está pronto? Para  atender a essas múltiplas solicitações e ao chamado de meu coração de dar forma à minha própria síntese dos conhecimentos que venho aprofundando por mais de vinte anos sobre as comunidades intencionais que buscam uma vida mais sustentável, plena e feliz,  me propus a escrever este blog, o que me pareceu mais simples do que escrever um livro. E apresento para vocês aqui o resultado.

Nuvem de palavras feita em wordclouds.com

A minha proposta neste Blog é registrar, de forma bem simples e acessível, o meu olhar sobre diversos temas ligados ao entendimento, criação e governança de grupos focados na cultura regenerativa e na sustentabilidade, como as ecovilas e demais tipos de comunidades intencionais. Certamente cada tema daria um livro, e mesmo vários livros já foram escritos sobre eles de forma bem mais aprofundada. Mas, como uma das características de nossa Era é a mistura de enorme quantidade de informações disponíveis, às vezes até contraditórias, nos deixando confusos para assimilá-las, me proponho aqui a pinçar e comentar algumas que possam ajudar a conduzir a formação, a organização e a governança de uma comunidade intencional de acordo com os valores e visão de mundo de um grupo ainda difuso, mas cada vez maior, de pessoas que trabalham para a construção de uma civilização mais sustentável e fraterna. E, quem se sentir tocado por alguns dos temas aqui mapeados e quiser se aprofundar, certamente encontrará na internet vários cursos e uma vastidão de informações.

Todo esse universo de conteúdos começou a se organizar melhor em minha mente quando, em 2008, o grupo do qual eu fazia parte, da ecovila Terra Una, se mobilizou para realizar a primeira edição no Rio de Janeiro do Curso Educação Gaia, Design em Sustentabilidade criado pela GEN (Global Ecovillage Network – Rede Global de Ecovilas) para difundir as melhores práticas de ecovilas do mundo inteiro.  O curso tinha recebido o endosso da Unitar (Instituto para Treinamento e Pesquisa das Nações Unidas) como uma contribuição oficial para a Década Internacional da Educação para o Desenvolvimento Sustentável da ONU (2005 a 2014). Os anos em que me dediquei ao Curso Educação Gaia marcaram minha vida, e neles tive oportunidade de mergulhar em conhecimentos focalizados por dezenas de educadores para a sustentabilidade, do Brasil e do exterior, que trazem visões e propostas inovadoras para nos orientar em uma nova forma de habitar o planeta que já se manifesta por toda parte, expandindo-se por mentes e espíritos despertos para uma outra realidade. É uma nova tribo que começou pequenininha, em meados do século passado, por alguns poucos visionários, mas que agora já tem um formato, uma energia enorme e cresce exponencialmente com potencial enorme para mudar o mundo. Vem do Educação Gaia a inspiração para grande parte dos textos que compartilharei neste Blog.

Poderia ser esperado basearmos nossa abordagem na Permacultura, um sistema complexo e bem reconhecido de tecnologias sociais que dão o norte para uma vida mais sustentável. Eu mesma fiz o PDC (Permaculture Design Course) mais de uma vez, acompanhando minhas turmas do Gaia, e a cada vez percebia que tinha mais e mais – e sempre – a aprender. A ecovila em que moro hoje, como quase todas, é orientada pela Permacultura. O Movimento Mutirão Agroflorestal ao qual pertenço foi gestado em um curso de Permacultura em 1995, e depois partiu para a missão de ajudar a agroflorestar os corações e mentes e terras do planeta. Agradeço muito à Permacultura, e ela estará aqui presente sim, como não poderia deixar de estar, mas não será nosso foco principal. Sobre ela já existe um extenso material bem acessível e organizado e muitos cursos para quem quiser se aprofundar, e haverá neste site outros blogueiros que abordarão esse tema. 

Além disso, minha visão de educadora social me atrai para esmiuçar os aspectos do desenvolvimento humano, das relações, dos valores e das aprendizagens ressignificadas nessa trilha tão inovadora de se criar um estilo de vida comunitário. Por isso meus textos tratarão de dar visibilidade ao que a Permacultura chama de “estruturas invisíveis”, que dizem respeito aos valores, relacionamentos humanos, aspectos socioeconômicos, culturais, ecológicos e espirituais (mas não necessariamente ligados a uma religião) que confluem na formação da Visão de Mundo que dá suporte a uma comunidade intencional. 

Ao trabalhar para o Gaia, sobretudo nos anos em que fui coordenadora pedagógica em Brasília, senti a mesma carência dos criadores de novas comunidades: há pouca produção de conteúdos disponíveis que mostrem os métodos, práticas, princípios e valores que são a base das centenas de experiências incríveis que nos inspiram, que pipocam por todos os lugares e se tangenciam, mas muitas vezes nem se conhecem. Percebemos uma rede viva se formando e se expandindo, mas é complexo sistematizar suas mensagens, elaborar um mapa, uma trilha que ajude a conceber, estruturar e gerenciar uma comunidade em formação dentro de lógicas não-usuais de governança, relacionamentos interpessoais verdadeiros e colaborativos, economias solidárias, comunhão com a natureza, visão de mundo que interage com esses aspectos econômico-psico-socioambientais, perpassados por uma espiritualidade engajada e política, formando um sistema harmonioso que guia a construção da nova forma de habitar o mundo.

Para tecer esta síntese, inspirações me vieram da Pedagogia Social, da Educação para a Paz, da Pedagogia da Cooperação, do Dragon Dreaming, da Ecologia Profunda, da Ecopsicologia, da Sociocracia e de diversas oficinas de metodologias colaborativas, relacionamentos, resolução de conflitos e comunicação não-violenta, e mesmo de filosofias orientais e ocidentais, dos povos tradicionais, da psicologia, de linhas espirituais e muitas outras correntes que contribuíram para a minha própria evolução pessoal nestas várias décadas em que venho caminhando sobre a Terra.

Assim, aceitei com muito prazer e muita honra o desafio de produzir conteúdo para esse Blog para contar o que ficou em mim de tantas fontes de inspiração, com muita gratidão pela oportunidade e pelo incentivo de me fazer escrever. Espero que quem está iniciando sua comunidade encontre aqui algumas das orientações que busca e também que meus companheiros de ideal que já pertencem a comunidades intencionais contribuam com suas experiências e conhecimentos. Almejo que este seja um espaço de diálogo que ajude a registrar a sabedoria desta teia que se espalha e se reflete holograficamente na nova civilização que está emergindo, criada por pessoas como nós, que se dedicam a contribuir para a construção de um mundo melhor, mais justo, mais cooperativo, mais sustentável.

Cada sabedoria incorporada torna-se uma entidade viva, ganha alma, vira uma amiga leal que passa a viver dentro de nós por toda a nossa vida. Meu agradecimento a todos aqueles que se dedicaram a compartilhar as sabedorias que me ajudaram a formar a pessoa que sou hoje e que aqui expresso. Nos textos, tento citar nomes de sistematizadores ou das sabedorias que sistematizaram, mas às vezes esses conhecimentos estão tão internalizados que já se misturaram à minha própria personalidade ou os canalizo do enorme campo de conhecimentos que se encontra disponível em torno de nós no subconsciente coletivo das pessoas que se dedicam à causa da evolução da humanidade à qual pretendo contribuir, humildemente, com minha pequena parte. 

Lena Ferreira
Designer em Sustentabilidade
Pedagoga Social e da Cooperação
Consultora de Relações Humanas da Amainar


Texto protegido pela Lei de Direito Autoral nº 9610/98

Comentários

  1. Lena querida, que suas reflexões aqui no blog inspirem e orientem muitas pessoas que desejam viver a sustentabilidade com relações autênticas e respeitosas, vivendo a ética do cuidado. Beijo no coração, Andrea Zimmermann

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinto-me muito feliz e honrada de receber essas palavras de carinho e incentivo de dois permacultores que admiro tanto. BJS

      Excluir
  2. Que maravilhoso esse canal Lena ! Também compartilho dessas idéias, mais precisamente de 2008 para cá, quando no final do mestrado em Patrimônio Cultural, Meio Ambiente e Turismo Sustentável eu estudava uma fazenda que fazia a transição da agricultura tradicional do café para a agricultura orgânica a FAF e encontrei por lá uma amiga que convidou-me a integrar o movimento SlowFood. Bom, de lá para cá me vi não só engajada nas questões da alimentação e suas tradições histórico culturais, pois sou historiadora. Todos os outros aspectos da filosofia do Slow Food como, a defesa da biodiversidade local e de espécies em risco de extinção em âmbito global, segurança alimentar, agroecologia, suporte ao fortalecimento dos pequenos produtores e da cadeia produtiva, comércio justo e educação do gosto - temas caros ao movimento e base de vários projetos mundo afóra passaram a faxer parte da minha vida profissional de pesquisadora, palestrante e me transformei numa educadora ambiental através da alimentação, mas não só, porque afinal acabei me envolvendo politicamente, nessas outras áreas e visão de mundo que como vc diz, se tangenciam. Ou seja sou inspirada pela visão da permacultura, da agrogloresta e, acabo me envolvendo como ativista pela sustentabilidade nas dimensões macro desse novo mundo em transição, porquê esse também é meu propósito de vida. Já pensei e estou pesquisando - ainda de forma incipiente - viver numa Ecovila, talvez daqui uns 2 anos. De modo que será maravilhoso poder beber das suas experiências nesse blog pois acho qie tenho muito que aprender nessa seara e caminho que vc já trilhou. Por outro lado, também me coloco como interlocutora e ofereço meus saberes caso vcs queiram ou precisem de algum modo. Super grata e Parabéns !

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gratidão Mahe! Muito bom saber de sua trajetória, mais uma irmã batalhadora para transformar este mundo em um local melhor!!

      Excluir
  3. Querida, vc é uma mestra e tua missão tem o poder de germinar a semente da cooperação e da união para mais e mais pessoas. Que bom que vc atendeu a este chamado. Muito bom poder estar ao teu lado, aprendendo contigo e trocando também. beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Querida amiga e companheira de Ecovila. Realmente aprendemos muito uma com a outra. Sigamos juntas!

      Excluir
  4. Lena, querida, seu texto é envolvente e fluido, com promessas de aprendizagens além do que eu imaginava. Desejo-lhe uma longa vida, pródiga e feliz, que possa compartilhar conosco toda a sua sabedoria. Um abraço cheio de esperança!

    ResponderExcluir
  5. Lena, muito bom ver expandir seu conhecimento no exercício do seu propósito, tão autêntico e alinhado ao desejo de tantas pessoas, de viverem em harmonia com o todo. Que seu caminho seja sempre de muitas realizações! Bjs

    ResponderExcluir
  6. Lena querida, agradeço por compartir suas percepções, ações e experiências sobre o viver de forma coletiva, caminho que ambas escolhemos seguir... Sorte a nossa por sua generosidade... Estou adorando ser seguidora e aprender cada vez vez mais pelo seu olhar.. Vida longa ao blog!!!

    ResponderExcluir
  7. Queridxs, meu coração se enche de felicidade em ver que minhas palavras encontram eco em tantos corações!!!

    ResponderExcluir
  8. Lena querida! Muito inspirador o seu texto! Grata por compatilhares conosco seus conhecimentos e experiências, mediados de tanta sensibilidade e visão. Que sua mente iluminada lhe flua cada vez mais inspiração e criatividade, que irá, por sua vez, nos banhar de alegria e inspiração. Beijo grande!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O poder do feedback por Lena Ferreira

As fases de desenvolvimento da comunidade por Lena Ferreira

As Comunidades da Transição por Lena Ferreira